INSTALAÇÃO DAS DIRETORIAS

|

Neste domingo, 24/12, aconteceu a instalação de todas as diretorias responsáveis por conduzir, ao lado do pastor,  os trabalhos, a organização, o planejamento e a execução dos trabalhos desta congregação. Foram empossados a diretoria dos Jovens, das Servas, dos Leigos, da Congregação e da Paróquia. Deus os abençoe nesta tarefa e lhes dê força, coragem, bom senso, capacidade, fé, amor e ajuda em todos os momentos e dias em que estiverem à frente dos trabalhos. Que o Senhor Jesus sempre seja o árbitro em todas as decisões que tiverem que ser toamadas. Deus os abençoe.


Também foram empossados os irmãos que ajudarão na distribuição da Santa Ceia, é a comissão de Culto. Que a Paz de Jesus esteja sempre presente entre os irmãos.

NATAL CONCÓRDIA

|

No dia 24, tivemos um maravilhoso programa de Natal com a participação das crianças, dos jovens. Foi mais uma noite muito especial, a Noite Feliz. Noite onde mais uma vez a verdadeira luz, JESUS, aparece mais e sobressaiu -se muito mais sobre as demais luzes. Deixe o Senhor Jesus brilhar no coração de vocês, pois isto torna a pessoa feliz e, um coração feliz aformoseia o rosto. FELIZ NATAL!

 





NATAL NA CRISTO DO PASSO DO PILÃO

|

 O Programa de NATAL na CEL CRISTO do Passo do Pilão foi maravilhoso. A igreja estava cheia de cristãos fervorosos. As crianças apresentaram lindamente sua peça teatral e seus versos, da mesma forma que os jovens, as servas e o grupo de canto. Tudo estava lindo, após o programa, além dos abraços carinhosos, foi oferecido um banquete delicioso à confraternização. Fica aqui o agradecimento especial a todos que lá compareceram e um agradecimento especial aos organizadores deste lindo evento. Deus os recompense.


IGREJA LUTERANA

|

A Igreja Cristã & Luteranos no Mundo www.ielb.org.br/site/

A palavra "igreja" vem do vocábulo grego "ekkleesía", que significa uma assembléia convocada para uma finalidade especial, a princípio, política, depois também religiosa. Assim, a IGREJA CRISTÃ é o conjunto daqueles que foram chamados por Deus e se reúnem por causa de Cristo. É, portanto, a união, a comunhão dos crentes em Cristo, daqueles que, pela fé nele, foram incorporados no reino de Deus, na família de Deus, na igreja de Deus. Deve-se distinguir entre "igreja invisível" (que é exatamente esta comunhão universal acima) e "igreja visível" (que são as organizações humanas).

O começo da igreja cristã

O início da Igreja Cristã aconteceu quando Cristo ainda estava aqui na terra, com os seus primeiros seguidores (discípulos).

Momentos antes de Cristo subir ao céu, ele deu aos seus seguidores a suprema tarefa de espalhar a sua mensagem (= obra) salvadora por todos os cantos da terra. Era (e ainda é) a sua vontade que todos os homens venham a crer nele, a fim de que possam receber perdão, salvação e a vida eterna.

Por ocasião da ascensão de Cristo, cerca de 500 crentes estavam reunidos. Pouco tempo depois, no dia de Pentecostes, cerca de três mil foram acrescentados à Igreja (At. 2). Em seguida, mais uns cinco mil (At. 4).

Fiéis cristãos, os discípulos de Cristo levaram a sério a ordem missionária. Tanto que, em algumas décadas, já existiam cristãos espalhados em várias regiões da África, Ásia Menor e Europa. O missionário que mais se destacou neste período foi o apóstolo Paulo.

O desenvolvimento

Sempre tendo à frente cristãos fiéis, o evangelho de Cristo foi levado e aceito por muitas pessoas. Apesar de muitas perseguições e de muitos cristãos mortos pela sua fé, o cristianismo florescia em muitos lugares.

Mas enquanto os anos passavam e a Igreja crescia, também surgiram muitos problemas, normalmente motivados por cristãos falsos e interesseiros. Surgiram problemas de ordem estrutural, política e, especialmente, doutrinária. E assim, no decurso dos séculos, vários desvios doutrinários se infiltram nos ensinamentos da Igreja, afastando-a do verdadeiro evangelho de Cristo.


Cristãos piedosos e preocupados fizeram várias tentativas de levar a Igreja de volta ao ensino de Cristo. Entre eles podem ser citados Agostinho, Pedro Waldo, João Wiclif e João Hus. Mas pouco conseguiram. O erro e os interesses persistiram. E parecia que eles cresciam sempre mais.

A Reforma

A situação estava num ponto crítico, quando surgiu na história um alemão: Martinho Lutero. Preocupado em ser um cristão fiel, Lutero logo se viu diante de dois problemas básicos. O primeiro: não conseguiu sentir-se tranquilo diante da (falsa) doutrina da salvação por boas obras. Tentou muito, mas não conseguiu sentir-se aceito diante de Deus. Até que descobriu que a Bíblia diz exatamente o contrário: O JUSTO VIVERÁ POR FÉ (Rm 1.17). Isto é: bastava crer em Cristo para ser salvo e aceito por Deus.

O segundo problema: a Igreja estava praticando um sistema mercantilista com o perdão dos pecados. Dizia que, através do pagamento de determinada quantia, os fiéis tinham suas penas diminuídas no purgatório. Este procedimento tornou-se um rendoso negócio para os ávidos bolsos do papa e dos bispos, que passaram a viver em crescente poder e luxo.

Sempre baseado na Bíblia, Lutero pretendeu modificar esta situação decadente e degradante. De várias maneiras procurou fazer com que a Igreja retrocedesse e voltasse a seguir e a ensinar o que a palavra de Deus diz. Mas a busca e acumulação desenfreada de riquezas e poder não eram fáceis de ser vencidas. E, tentando manter as coisas como estavam, a Igreja Romana tentou silenciar a Lutero por todos os meios, saindo invariavelmente sempre frustada. Lutero, resoluto, não cedia. Sabia que estava certo. Sua fonte era a Bíblia.

O temido por muitos aconteceu em 1521: Lutero foi expulso da Igreja Romana e considerado um herege.

Na verdade, Lutero não queria este rompimento, mas tão-somente restaurar a difusão do puro evangelho de Deus. Mas como diz a Bíblia: "Importa antes obedecer a Deus do que aos homens".

Em pouco tempo, os seguidores de Lutero aumentaram consideravelmente, incluindo príncipes, ex-padres e freiras, professores, agricultores, espalhados por várias regiões da Alemanha e, logo por vários países. E assim estava definitivamente determinado o nascimento da Igreja Luterana.
As Confissões Luteranas

Além dos credos Apostólico, Niceno e Atanasiano, a Igreja Luterana possui outras confissões, escritas por Lutero e seus colaboradores. Estas confissões mostram o que a Igreja ensina, conforme a Bíblia. As confissões são:

Luteranos no Brasil

Muito cedo, luteranos aportaram no Brasil. Já em 1532, o filho de um amigo de Lutero, Heliodoro Eobano, desembarcou em São Vicente, SP, onde professou sua fé.

Origem da IELB

Em 1817, o governo da Prússia, o maior estado alemão, impôs a união de luteranos e reformados calvinistas. Muitos não aceitaram essa imposição, formando igrejas puramente luteranas em toda a Prússia. Dessas igrejas independentes, alguns emigraram para o Novo Mundo, formando igrejas de cunho marcadamente confessional.

Luteranos dessa tendência, da Igreja Luterana Sínodo Missouri dos Estados Unidos, vieram para dar assistência a emigrados alemães luteranos no Brasil. Originada das igrejas luteranas independentes confessionais, essa se tornou uma característica marcante na história da IELB. Na sua literatura teológica e devocional, nos temas de suas conferências e convenções, essa tem sido a ênfase mais presente.

A maior parte dos alemães que emigraram ao Brasil no século XIX fixaram residência no Rio Grande do Sul. Aí organizaram-se, de acordo com a sua origem, em luteranos, reformados ou unidos. Em 1886, fundou-se o Sínodo Rio-Grandense, sob a liderança do Rev. Wilhelm Rotermund. Em 1968, esse Sínodo, com o Sínodo Evangélico Luterano de Santa Catarina, Paraná e outros Estados da América do Sul (1905), a Associação de Comunidades Evangélicas de Santa Catarina e Paraná (1911) e o Sínodo Evangélico do Brasil Central, formaram a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). A IECLB registra atualmente 700 mil membros.

Começando o trabalho

A pedido do pastor Johann F. Brutschin, de Novo Hamburgo, RS, a Igreja Luterana - Sínodo de Missouri dos Estados Unidos enviou ao Brasil o pastor Christian J. Broders. O pastor Broders tinha a tarefa de investigar a possibilidade missionária no Brasil. Ele começou o trabalho na localidade de São Pedro, município de Pelotas, Rio Grande do Sul. Aprovado o trabalho, logo chegaram outros missionários.

Broders fundou, no dia 1° de junho de 1900, com 17 famílias, a Comunidade Evangélica Luterana São João, em São Pedro, a 40 km de Pelotas, RS, a primeira igreja da IELB no país.

Em 1904, no dia 24 de junho, foi fundada, em São Pedro do Sul, perto de Santa Maria, RS, com a presença de 14 pastores, um professor e 10 leigos, representando 10 congregações com aproximadamente três mil membros, a Igreja Evangélica Luterana do Brasil.

O trabalho pioneiro cresceu e em 2007 registrou 233 mil membros batizados na Igreja. A partir de trabalhos missionários da IELB, a igreja luterana chegou ao Paraguai e Portugal - hoje nossas igrejas irmãs - e que colaboram com a missão em diversos países enviando pastores.

Martinho Lutero


A Reforma Luterana é um dos acontecimentos mais importantes da História. Ela foi resultado do empenho de um sacerdote alemão da Igreja Católica - Martinho Lutero - em reformar ensinos teológicos e comportamentos morais da Igreja, com base no ensino bíblico. A resistência da Igreja determinou o crescimento do movimento e, por fim, o surgimento de novas Igrejas - como a Igreja Luterana.

Conheça, abaixo, alguns detalhes da vida e obra de Martinho Lutero.

INFÂNCIA

Lutero era filho de camponeses católicos alemães. Como era comum na época, Lutero foi alvo de uma disciplina rígida. O menino Lutero aprendeu, entre outras coisas, a orar aos santos, realizar boas obras e reverenciar o papa e a igreja.

EDUCAÇÃO

Cedo, aos cinco anos, Lutero começou a estudar latim em uma escola local. Aos 12 anos, foi aluno de uma irmandade religiosa em Magdeburgo. Em 1505 recebeu grau de Mestre em Artes da Universidade de Erfurt e começou a estudar Direito.

MONGE

Pouco tempo após iniciar seus estudos de Direito, Lutero resolveu tornar-se monge e entrou no Mosteiro Agostiniano de Erfurt. A sua ordenação foi em 1507. Depois deixou o Mosteiro para ensinar filosofia moral na Universidade de Wittenberg.

DOUTOR

Continuando seus estudos, Lutero obteve o título de Doutor em Teologia. De 1513 a 1518, ensinou Teologia Bíblica na Universidade de Wittenberg. Nessa época, começou a tornar-se bastante conhecido.

CRISE

Após certa idade, Lutero começou a ser afligido por uma angústia que pode ser sintetizada em uma pergunta: se o coração da pessoa é governado pelo pecado, como pode esperar salvação diante de Deus? Por causa do que aprendeu, procurou resposta - e paz - através de boas obras, incluindo jejuns e auto-flagelação. Contudo, seu sentimento de incapacidade para sentir paz diante de Deus, continuou levando-o às portas do desespero.



A aflição de Lutero acabou somente quando encontrou respostas na Bíblia. Ele teve a certeza de que não existe como alguém merecer o favor de Deus por alguma coisa que faz. Descobriu que a única forma de alguém obter o favor Deus é através da fé em Jesus Cristo. Que através da fé em Jesus é que os pecados são perdoados por Deus. Este entendimento, conhecido como a doutrina da justificação pela fé, tornou-se um dos pilares do pensamento religioso de Lutero.

INDULGÊNCIAS

A Igreja Romana da época dizia que algumas pessoas possuíam mais méritos que o necessário para serem salvas. Por isso, o "mérito extra" dessas pessoas podia ser transferido - especialmente através de pagamento - para pessoas cuja salvação era duvidosa. Lutero protestou contra esta prática, chamada de indulgência.

95 TESES

Em 31 de outubro de 1517, Lutero afixou uma série de críticas - conhecidas como 95 Teses - na porta da igreja do Castelo de Wittenberg. As Teses eram um protesto contra o abuso da autoridade do Papa, em especial no sentido de desafiar o Papa a esvaziar de graça o purgatório, já que dizia controlá-lo. Lutero também negou o ensino do mérito extra que estava por detrás das indulgências. Para Lutero, o verdadeiro tesouro da Igreja é o Evangelho - a proclamação do amor de Deus.

DENÚNCIA

A Igreja Romana ordenou que Lutero se apresentasse em Roma para responder às acusações de heresia. Sabendo do caso, o Príncipe da Saxônia, Frederico o Sábio, interveio e insistiu que a audiência de Lutero fosse realizada em solo alemão. Como resultado, uma Dieta Imperial foi realizada na cidade de Augsburgo, em 1518. Lutero se recusou a mudar de opinião. Temendo ser preso, fugiu de Augsburgo.

EXCOMUNHÃO

As idéias de Lutero logo encontraram adeptos em toda a Alemanha, e mesmo fora dela. A resposta do Papa à situação foi uma bula (ordem papal), ameaçando Lutero de excomunhão, caso não se retratasse. Em protesto, ele queimou publicamente a Bula e foi excomungado em janeiro de 1521.

FAMÍLIA

Em junho de 1525, Lutero casou-se com Catarina de Bora, uma ex-freira. Os dois tiveram seis filhos e abrigaram onze órfãos.

ESCRITOS

Lutero publicou cerca de 400 obras durante a sua vida, incluindo comentários bíblicos, catecismos, sermões e tratados. Também escreveu hinos para a Igreja. Partes de suas obras estão publicadas em diversas línguas modernas. Em português, está em andamento um projeto de 14 volumes, com seus principais escritos.

MORTE

Lutero faleceu de derrame cerebral em 1546, aos 63 anos de idade, em sua cidade natal Eisleben. Seu corpo foi sepultado na Igreja do Castelo de Wittenberg, onde, cerca de 30 anos antes, afixou suas 95 Teses.
www.ielb.org.br/site/

CONTATO

|

A CEL Concórdia está sempre a disposição. Querendo entrar em contato ou visitar-nos, será uma honra poder atendê-los e recebê-los. Estamos localizados na rua Ormindo da Silva, 1654, Bairro Sítio Floresta - Pelotas/RS. Fone: 53 3274 2006.
Podes também entrar em contato através do blog.








                                                                     
                          O pastor que atende nesta igreja é o pastor Darcy Schreiber.
Email: darcy.schreiber@yahoo.com.br
Fone: 53 3274 2006 /9946 0360









 
 
 

                                                                    

|

A Paróquia Concórdia é composta por estas três Congregações: A Cel Concórdia, que está localizada na rua Ormindo da Silva, 1654, B. Sítio Floresta - Pelotas/ RS.

                                                                                 
A Cel Cristo, fica no Passo do Pilão - Pelotas/RS, ao lado do Cemitério.

A Cel São Mateus, fica no Monte Bonito, Pelotas/RS.





Pastor

|

Rev. Darcy Schreiber
Nascido em Afonso Cláudio - ES, casado, formou-se no ICSP (Instituto Concórdia de São Paulo) em 1994. Atuou como pastor na Paróquia de Ji-Paraná - RO, em Porto dos Gaúchos - MT, humaitá - AM e atualmente é pastor na Cel Concórdia de Sítio Floresta - Pelotas/RS. Email: darcy.schreiber@yahoo.com.br Fone: 53 3274 2006 ou 8105 0709

O que cremos

|









Nós, cristãos luteranos, fazemos parte da Una e Santa Igreja Cristã e Apostólica, como confessamos no Credo Niceno, do século IV, um dos principais símbolos da fé cristã universal.Cremos, ensinamos e confessamos que “há somente um corpo [de Cristo, a Igreja,] e um Espírito (...); há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Efésios 4.4-6).A Igreja Luterana é a um só tempo evangélica – porque proclama o perdão gratuito dos pecados por meio da fé em Jesus Cristo – e sacramental, porque centraliza a sua vida espiritual na água regeneradora do batismo e na presença real de Cristo na Eucaristia.É uma igreja solidamente fundada nas Escrituras, mas que não confunde o livre exame da Bíblia com uma interpretação individualista, e preserva um sistema teológico abrangente, rigoroso e ortodoxo.Nosso culto caracteriza-se tanto pela ênfase na pregação da Palavra de Deus, quanto pela liturgia desenvolvida ao longo de quase dois milênios.A Igreja Luterana é uma igreja histórica com rica tradição espiritual, mas sem legalismo. Ensina, portanto, que as boas obras são conseqüência de uma fé verdadeira, e não o meio de obter o perdão dos pecados e a remissão de penas temporais ou eternas.Em suma, a Igreja Luterana conserva alguns dos melhores elementos do protestantismo e do catolicismo. E, graças a Deus, não é uma entre tantas pequenas seitas enganosas, mas uma das maiores comunidades cristãs do mundo.O monge Martinho Lutero, que desencadeou o movimento da Reforma do século XVI, não queria a divisão da Igreja; e, contra a sua vontade, acabou deixando como herança o próprio nome àqueles que até hoje vivem a fé de modo autenticamente evangélico, fiéis à Palavra de Deus e aos santos sacramentos instituídos por Nosso Senhor Jesus Cristo.

A IGREJA CRISTÃ é a comunhão dos santos, isto é, a totalidade de todos aqueles que crêem em Cristo como seu único Salvador. Essa é a Igreja Cristã invisível. É considerada invisível porque ninguém pode ver a fé do outro. Ela é invisível para os homens, mas não para Deus, pois "o Senhor conhece os seus" (2 Tm 2.19).
Mesmo invisível, a presença da Igreja Cristã é reconhecida por sinais visíveis. Esses sinais são a pregação da palavra de Deus e a administração dos sacramentos do Batismo e da Santa Ceia. Dizemos, por isso, que a Igreja Cristã está presente onde é pregada a palavra e são administrados os sacramentos, pois a palavra de Deus jamais volta vazia (Is 55. 11).
Cremos que a Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) é fruto da graciosa e contínua ação do Espírito Santo, que operou através da palavra e dos sacramentos. A IELB é um conjunto de cristãos que confessam o nome de Cristo, conforme o claro ensino da Escritura. A IELB é, apesar de suas fraquezas e limitações, um instrumento de Deus para a edificação de seu reino em nossa Pátria.
A IELB busca a verdadeira união da Igreja Cristã, que consiste na "preservação da unidade que o Espírito criou e opera", mantendo encontros e diálogos teológicos com outras igrejas. "Há somente um corpo e um Espírito... uma só esperança... há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos" (Ef 4. 4-6).
Nesse sentido, a IELB busca refletir os reformadores luteranos e seus discípulos que reuniram os textos com os quais reafirmaram a verdade bíblica nas discussões teológicas em um livro chamado o Livro de Concórdia, de 1580. A IELB busca a comunhão e a unidade com outras igrejas com base nas Escrituras Sagradas, conforme foi exposta em suas verdades centrais durante a Reforma. Nesta busca, a IELB mantém a posição que o seu compromisso com a unidade externa com outras igrejas deve sublinhar e confirmar: o compromisso com a verdade bíblica, conforme expresso no Livro de Concórdia. Com isso, não julga a fé alheia, mas sabe que, onde a palavra de Deus está em uso, o Espírito Santo opera a fé. (Rm 16.17; Mt 7.15; Jo 9).

DEUS e o SER HUMANO
Cremos, ensinamos e confessamos que o conhecimento natural que o homem possui a respeito de Deus é imperfeito e insuficiente para a salvação. Conhecimento correto e salvífico o homem adquire somente pela Escritura Sagrada, na qual o Deus verdadeiro: Pai, Filho e Espírito Santo assim se revelou e se quer adorado. Qualquer outro culto é idolatria e abominação ao Senhor. Referências bíblicas: Rm 1.19-20; 2.14-15; Dt 6.4; Mt 28.19; Jo 5.23; 1 Co 8.4-8.
Cremos, ensinamos e confessamos que o ser humano foi criado por Deus conforme a imagem divina, a qual consistia em bem-aventurado conhecimento de Deus, perfeita justiça e santidade. Essa imagem se perdeu com a queda em pecado. Agora, o ser humano nasce com o pecado original, isto é, o pecado que herdamos de Adão, a completa corrupção de toda a natureza humana, agora privada da justiça original, inclinada para todo o mal e sujeita à condenação. Referências bíblicas: Gn 1.27; 2.7; 3.1-16; Sl 51.5-15; Rm 5.12; Sl 143.3; Is 64.6.

BATISMO e JESUS CRISTO
Cremos, ensinamos e confessamos que o sacramento do santo Batismo foi ordenado por Jesus como meio da graça pelo qual o Espírito Santo "opera a remissão dos pecados, livra da morte e dá a vida eterna a quantos crêem." Pelo Batismo, as crianças recebem a fé e se tornam filhos de Deus e, aos adultos, o Batismo sela o perdão dos pecados. Enquanto alguém permanece na fé, desfruta as bênçãos do Batismo. O Batismo deve ser administrado uma vez só, em nome do Deus triúno: Pai, Filho e Espírito Santo. Referências bíblicas: Mt 28.19; Tt 3.5; Mc 10.14; Mc 7.4; 16.16; At 22.16.
Cremos, ensinamos e confessamos que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Como Filho de Deus, gerado do Pai desde a eternidade, é, em todos os sentidos, igual ao Pai e ao Espírito Santo. Como verdadeiro homem, nasceu da virgem Maria. Nasceu sem pecados e é, em todos os sentidos, verdadeiro homem. Como nosso substituto, cumpriu a lei de Deus, padeceu por nossos pecados e, por seu sacrifício e morte, consumou a obra de reconciliação. Desceu ao inferno para mostrar sua vitória sobre todos os nossos inimigos. Jesus Cristo é o único Salvador da humanidade. Fora dele não há salvação. Jesus voltará ao mundo para julgar os vivos e os mortos. Referências bíblicas: Jo 1.1; Mt 1.18-25; 1 Pe 2.22; 2 Co 5.19; 1 Jo 2.2; Cl 2.15; Rm 1.14; At 10.42.
SANTA CEIA e o MINISTÉRIO PASTORAL
Cremos, ensinamos e confessamos que o ministro pastoral é um ofício ordenado por Deus para administrar publicamente a palavra de Deus e os sacramentos. Os ministros não constituem uma classe especial de pessoas, como os sacerdotes do Antigo Testamento. Sendo todos os cristãos sacerdotes reais, ninguém tem o direito de sobrepor-se aos outros. Por isso, só o chamado de uma comunidade torna alguém um ministro. O ministro exerce publicamente as funções que todos os cristãos exercem em particular. Referências bíblicas: At 6.2; 1 Pe 2.9; Tt1.5-7; At 20.17,28; 1 Co 14.34ss; 1 Tm 2.11.
Cremos, ensinamos e confessamos que, na Santa Ceia, o Senhor Jesus Cristo, de acordo com sua palavra, nos dá o seu corpo e sangue para remissão dos pecados. Os elementos materiais, pão e vinho, não se transformam em corpo e sangue. Mas por ordem e promessa de Deus, recebemos na Santa Ceia em, com e sob o pão e o vinho, o verdadeiro corpo e sangue de Cristo. Os que crêem, recebem-no para fortalecimento da fé. Os que participam sem arrependimento e fé, recebem igualmente o verdadeiro corpo e sangue de Cristo, mas para juízo. A Santa Ceia é a mesa do Senhor onde recebemos conforto e consolo. Ela nos dá o perdão dos pecados e nos fortalece na esperança da ressurreição. Referências bíblicas: Mt 26.26-28; Mc 14.24; 1 Co 11.24-29.
PPECADO e o EVANGELHO

Cremos, ensinamos e confessamos que toda e qualquer transgressão da santa lei de Deus é pecado. Cada pensamento, palavra ou ato contrário à vontade de Deus é pecado. Cada pecado é rebelião contra Deus. O pecado é a causa de toda a miséria neste mundo. O homem é responsável diante de Deus e terá que prestar contas de sua vida. E Deus julgará todos. Referências bíblicas: Ez 18.20,30; Rm 8.7; 1 Jo 3.4; Gn 8.4; Hb 9.27; Rm 6.23.
Cremos, ensinamos e confessamos que Deus, em seu infinito amor, não abandonou os homens em sua ruína, mas resolveu salvá-los pela obediência, paixão e morte de seu Filho unigênito Jesus Cristo. O evangelho é a boa notícia dessa salvação. No evangelho, Deus oferece perdão dos pecados, vida e salvação a todos os homens. Todo o pecador arrependido, que confia nas promessas do Evangelho, tem o que estas palavras lhe dizem e prometem: perdão dos pecados, vida e eterna salvação. Referências bíblicas: Jo 3.16; Rm 1.16; Gl 3.5; 2 Co 5.19.

CONVERSÃO e FÉ

Cremos, ensinamos e confessamos que a conversão de um pecador compreende contrição e fé. A conversão não é mera reforma moral ou a resolução solene de corrigir a vida, mas é completa mudança de toda a vida do homem. É o renascimento espiritual do pecador. É uma transformação milagrosa, efetuada pelo poder do Espírito Santo, operada pelos meios da graça: palavra de Deus e os sacramentos. Sendo espiritualmente cego, morto e inimigo de Deus, o homem não se inclina a Deus nem pode dispor-se à graça ou aceitá-la. Por isso, a conversão é um ato exclusivo de Deus, no qual o homem é passivo. A essa graça, porém, o homem pode resistir. A Bíblia lembra que o homem é salvo unicamente pela graça de Deus mediante a fé em Cristo e que Deus quer a salvação de todos. O que é salvo, é salvo pela graça. O que se perde, perde-se por culpa própria. Referências bíblicas: Jr 31.18; Jo 1.12,13; Rm 10.17; At 11.21; Ef 2.1,5.
Cremos, ensinamos e confessamos que a fé salvadora não é simples assentimento aos ensinos da Escritura, mas a confiança de um pecador arrependido no perdão de Cristo. Tal fé não é um ato de obediência ou decisão da vontade humana, mas é um ato da graça divina como um presente. Mesmo sendo um ato divino, não é o Espírito Santo que crê em nós. Nós cremos. A pessoa que não tiver essa confiança em Cristo, não pode ser salva; permanece sob a escravidão de Satanás, sob a ira divina e caminha para a condenação infernal. Aquele que está em Cristo, é nova criatura e busca, sob a ação do Espírito Santo, estreita comunhão com o Salvador. Por contrição e arrependimento diários, afoga as inclinações pecaminosas de sua carne e, pela graça de Cristo, ergue-se diariamente para uma nova vida com Jesus. Luta diariamente com muitas fraquezas, mas busca a perfeição em Cristo, a qual gozará na eternidade em toda a sua plenitude. Referências bíblicas: Tg 2.19; Is 55.6-7; Mc 1.15; Jo 1.12; 1 Co 12.3; Rm 10.7; At 16.31; Jo 3.36; Fp 3.14; Ef 4.15-16; Rm 12.1-3.


AS ÚLTIMAS COISAS
Cremos, ensinamos e confessamos que Deus determinou um dia, no qual julgará o mundo com justiça. Ninguém sabe quando será este dia. Naquele dia, Jesus voltará visível e glorioso. Céu e terra se desfarão. Todos serão julgados por Jesus. Aos incrédulos, Jesus dirá: Apartai-vos de mim, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus seguidores. Aos fiéis, que terão um corpo glorioso, dirá: Vinde, benditos de meu Pai e entrai no gozo de vosso Senhor que vos está preparado desde a fundação do mundo. Então serão criados os novos céus e a nova terra, nos quais habitará justiça.
Referências bíblicas: Jo 5.28-29; At 10.42; 1 Co 15.51-52; Rm 8.18; Mt 10.28; Is 66.24; Jo 19.25-27; Mt 26.31-46; 2 Pe 3.10-13; Ap 21.1-8

www.ielb.org.br/site/

O Choro no Natal

|


O choro de uma criança nem sempre é bem vindo; afinal representa desconforto do bebê e a necessidade de alguma ação por parte dos pais. Porém, em um momento especial o choro é esperado e até festejado. Refiro-me a hora do nascimento.
Sou pai de dois belos filhos – um menino de 6 anos (Leonardo) e uma menina de 3 anos (Isabela). Eles têm em comum, além dos pais, o fato de que ambos nasceram prematuros e ambos em parto normal. Foi uma aflição muito grande ver o pequeno Leonardo nos braços do médico sem esboçar muita reação. Após uma e outra intervenção da pediatra ele deu um pequeno choro – que apesar de minúsculo, trouxe grande alívio! As horas posteriores ao nascimento continuaram tensas, mas o alívio e a alegria daquele pequeno choro nos fortaleciam, pois era o som de quem lutava pela vida.
Quanta alegria traz o choro de uma criança recém-nascida! Fico imaginando o que representa esse som para as mamães. Depois do esforço e da dor do parto aquele buáááá estridente deve ser música de alta qualidade!
Em mais um Natal penso no choro do menino Jesus e creio ter sido o tom para iniciar o cantarolar de milhares de anjos. Todo o Universo ouviu aquele choro! A noite se iluminou! Os animais se movimentaram mais alegres e a Estrela Guia surgiu do nada para iluminar os caminhos. Afinal, não era apenas mais um choro, era o som que vinha da boca de Deus, o Deus que de tão grandioso se fez pequeno e nasceu como um de nós!
Céus e terra passarão, mas aquele “choro”, a Palavra de Deus, permanecerá para sempre! (1 Pe 1.24)
Há outros choros nos natais dos dias de hoje! Choro do menino pobre sem presentes. Choro do menino rico que não se contenta com nada. Choro do solitário! Choro do enlutado! O Natal desperta as mais fortes emoções, sejam de alegria ou de tristeza. Quando a emoção nasce do verdadeiro Natal as lágrimas, ainda que acompanhadas de malancolia, limparão os olhos para uma visão mais clara e precisa.
O Menino que chorou na bem-aventurada Noite na cidade de Belém cresceu e voltou a chorar diante da morte, diante da injustiça das pessoas. Ele ofereceu toda a sua lágrima e todo o seu sangue para fazer nascer o sorriso do perdão.
Hoje ainda há um choro que é muito bem vindo. Não necessariamente de uma criança. Trata-se do choro do arrependimento e da fé. Em sua misericórdia, Deus providencia a cada um a chance de recomeçar através do perdão e sempre nos convida a uma vida de arrependimento e de paz.
Em Jesus temos o perdão, e no seu perdão acontece um Novo Natal, pois é nele que Jesus “renasce” em nossos corações, não em choro, mas em gargalhadas de alegria, pois há festa no Céu diante de cada pecador que se arrepende (Lc 15.7) – é ali que está o verdadeiro Natal.

Pastor Ismar Lambrecht Pinz

Mensagem de Natal 2010

|

INSTALAÇÃO DO PASTOR DA CONCÓRDIA

|

A Paróquia Concórdia teve, neste domingo dia 19/12, a honra de instalar seu pastor. O evento foi presidido pelo conselheiro do distrito SUL I, da IELB e contou ainda com a participação de vários pastores além da participação dos irmãos e irmãs desta paróquia. O culto foi marvilhoso em todos os sentidos. A mensagem foi proferida pelo conselheiro pr. Ismar Pinz e, teve como tema: sigam os conselhos de Deus. Após o culto foi oferecido um lindo banquete para nosso deleite e confraternização. Que o Senhor da Paz acompanhe o pr. Darcy Schreiber e sua família neste novo desafio e, que a paróquia o ajude a cada dia compartilhar o amor de Cristo.








Muito lindo - Aleluia de Handel. Presente de Natal

|

DOMINGO ESPECIAL

|

Neste domingo (dia 12/12) aconteceu o culto de ordenação do pastor Jones Rubira, filho desta congregação. O culto contou com a presença do presidente da IELB, pastor Egon Koperek que foi o pregador e também quem presidiu a solenidade de ordenação. A CEL Concórdia sentiu-se muito honrada com este acontecimento tão especial para a vida do pastor Rubira. Desejamos que o bom Deus lhe dê muita força, confiança, paciência, coragem para desempenhar de forma correta, fiel e justa a sua missão de divulgar o amor e o perdão de Cristo a todas as pessoas. Que Deus te abençoe.














 

©2009 PARÓQUIA CONCÓRDIA | Template Blue by TNB