O que cremos

|









Nós, cristãos luteranos, fazemos parte da Una e Santa Igreja Cristã e Apostólica, como confessamos no Credo Niceno, do século IV, um dos principais símbolos da fé cristã universal.Cremos, ensinamos e confessamos que “há somente um corpo [de Cristo, a Igreja,] e um Espírito (...); há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos” (Efésios 4.4-6).A Igreja Luterana é a um só tempo evangélica – porque proclama o perdão gratuito dos pecados por meio da fé em Jesus Cristo – e sacramental, porque centraliza a sua vida espiritual na água regeneradora do batismo e na presença real de Cristo na Eucaristia.É uma igreja solidamente fundada nas Escrituras, mas que não confunde o livre exame da Bíblia com uma interpretação individualista, e preserva um sistema teológico abrangente, rigoroso e ortodoxo.Nosso culto caracteriza-se tanto pela ênfase na pregação da Palavra de Deus, quanto pela liturgia desenvolvida ao longo de quase dois milênios.A Igreja Luterana é uma igreja histórica com rica tradição espiritual, mas sem legalismo. Ensina, portanto, que as boas obras são conseqüência de uma fé verdadeira, e não o meio de obter o perdão dos pecados e a remissão de penas temporais ou eternas.Em suma, a Igreja Luterana conserva alguns dos melhores elementos do protestantismo e do catolicismo. E, graças a Deus, não é uma entre tantas pequenas seitas enganosas, mas uma das maiores comunidades cristãs do mundo.O monge Martinho Lutero, que desencadeou o movimento da Reforma do século XVI, não queria a divisão da Igreja; e, contra a sua vontade, acabou deixando como herança o próprio nome àqueles que até hoje vivem a fé de modo autenticamente evangélico, fiéis à Palavra de Deus e aos santos sacramentos instituídos por Nosso Senhor Jesus Cristo.

A IGREJA CRISTÃ é a comunhão dos santos, isto é, a totalidade de todos aqueles que crêem em Cristo como seu único Salvador. Essa é a Igreja Cristã invisível. É considerada invisível porque ninguém pode ver a fé do outro. Ela é invisível para os homens, mas não para Deus, pois "o Senhor conhece os seus" (2 Tm 2.19).
Mesmo invisível, a presença da Igreja Cristã é reconhecida por sinais visíveis. Esses sinais são a pregação da palavra de Deus e a administração dos sacramentos do Batismo e da Santa Ceia. Dizemos, por isso, que a Igreja Cristã está presente onde é pregada a palavra e são administrados os sacramentos, pois a palavra de Deus jamais volta vazia (Is 55. 11).
Cremos que a Igreja Evangélica Luterana do Brasil (IELB) é fruto da graciosa e contínua ação do Espírito Santo, que operou através da palavra e dos sacramentos. A IELB é um conjunto de cristãos que confessam o nome de Cristo, conforme o claro ensino da Escritura. A IELB é, apesar de suas fraquezas e limitações, um instrumento de Deus para a edificação de seu reino em nossa Pátria.
A IELB busca a verdadeira união da Igreja Cristã, que consiste na "preservação da unidade que o Espírito criou e opera", mantendo encontros e diálogos teológicos com outras igrejas. "Há somente um corpo e um Espírito... uma só esperança... há um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos" (Ef 4. 4-6).
Nesse sentido, a IELB busca refletir os reformadores luteranos e seus discípulos que reuniram os textos com os quais reafirmaram a verdade bíblica nas discussões teológicas em um livro chamado o Livro de Concórdia, de 1580. A IELB busca a comunhão e a unidade com outras igrejas com base nas Escrituras Sagradas, conforme foi exposta em suas verdades centrais durante a Reforma. Nesta busca, a IELB mantém a posição que o seu compromisso com a unidade externa com outras igrejas deve sublinhar e confirmar: o compromisso com a verdade bíblica, conforme expresso no Livro de Concórdia. Com isso, não julga a fé alheia, mas sabe que, onde a palavra de Deus está em uso, o Espírito Santo opera a fé. (Rm 16.17; Mt 7.15; Jo 9).

DEUS e o SER HUMANO
Cremos, ensinamos e confessamos que o conhecimento natural que o homem possui a respeito de Deus é imperfeito e insuficiente para a salvação. Conhecimento correto e salvífico o homem adquire somente pela Escritura Sagrada, na qual o Deus verdadeiro: Pai, Filho e Espírito Santo assim se revelou e se quer adorado. Qualquer outro culto é idolatria e abominação ao Senhor. Referências bíblicas: Rm 1.19-20; 2.14-15; Dt 6.4; Mt 28.19; Jo 5.23; 1 Co 8.4-8.
Cremos, ensinamos e confessamos que o ser humano foi criado por Deus conforme a imagem divina, a qual consistia em bem-aventurado conhecimento de Deus, perfeita justiça e santidade. Essa imagem se perdeu com a queda em pecado. Agora, o ser humano nasce com o pecado original, isto é, o pecado que herdamos de Adão, a completa corrupção de toda a natureza humana, agora privada da justiça original, inclinada para todo o mal e sujeita à condenação. Referências bíblicas: Gn 1.27; 2.7; 3.1-16; Sl 51.5-15; Rm 5.12; Sl 143.3; Is 64.6.

BATISMO e JESUS CRISTO
Cremos, ensinamos e confessamos que o sacramento do santo Batismo foi ordenado por Jesus como meio da graça pelo qual o Espírito Santo "opera a remissão dos pecados, livra da morte e dá a vida eterna a quantos crêem." Pelo Batismo, as crianças recebem a fé e se tornam filhos de Deus e, aos adultos, o Batismo sela o perdão dos pecados. Enquanto alguém permanece na fé, desfruta as bênçãos do Batismo. O Batismo deve ser administrado uma vez só, em nome do Deus triúno: Pai, Filho e Espírito Santo. Referências bíblicas: Mt 28.19; Tt 3.5; Mc 10.14; Mc 7.4; 16.16; At 22.16.
Cremos, ensinamos e confessamos que Jesus Cristo é verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Como Filho de Deus, gerado do Pai desde a eternidade, é, em todos os sentidos, igual ao Pai e ao Espírito Santo. Como verdadeiro homem, nasceu da virgem Maria. Nasceu sem pecados e é, em todos os sentidos, verdadeiro homem. Como nosso substituto, cumpriu a lei de Deus, padeceu por nossos pecados e, por seu sacrifício e morte, consumou a obra de reconciliação. Desceu ao inferno para mostrar sua vitória sobre todos os nossos inimigos. Jesus Cristo é o único Salvador da humanidade. Fora dele não há salvação. Jesus voltará ao mundo para julgar os vivos e os mortos. Referências bíblicas: Jo 1.1; Mt 1.18-25; 1 Pe 2.22; 2 Co 5.19; 1 Jo 2.2; Cl 2.15; Rm 1.14; At 10.42.
SANTA CEIA e o MINISTÉRIO PASTORAL
Cremos, ensinamos e confessamos que o ministro pastoral é um ofício ordenado por Deus para administrar publicamente a palavra de Deus e os sacramentos. Os ministros não constituem uma classe especial de pessoas, como os sacerdotes do Antigo Testamento. Sendo todos os cristãos sacerdotes reais, ninguém tem o direito de sobrepor-se aos outros. Por isso, só o chamado de uma comunidade torna alguém um ministro. O ministro exerce publicamente as funções que todos os cristãos exercem em particular. Referências bíblicas: At 6.2; 1 Pe 2.9; Tt1.5-7; At 20.17,28; 1 Co 14.34ss; 1 Tm 2.11.
Cremos, ensinamos e confessamos que, na Santa Ceia, o Senhor Jesus Cristo, de acordo com sua palavra, nos dá o seu corpo e sangue para remissão dos pecados. Os elementos materiais, pão e vinho, não se transformam em corpo e sangue. Mas por ordem e promessa de Deus, recebemos na Santa Ceia em, com e sob o pão e o vinho, o verdadeiro corpo e sangue de Cristo. Os que crêem, recebem-no para fortalecimento da fé. Os que participam sem arrependimento e fé, recebem igualmente o verdadeiro corpo e sangue de Cristo, mas para juízo. A Santa Ceia é a mesa do Senhor onde recebemos conforto e consolo. Ela nos dá o perdão dos pecados e nos fortalece na esperança da ressurreição. Referências bíblicas: Mt 26.26-28; Mc 14.24; 1 Co 11.24-29.
PPECADO e o EVANGELHO

Cremos, ensinamos e confessamos que toda e qualquer transgressão da santa lei de Deus é pecado. Cada pensamento, palavra ou ato contrário à vontade de Deus é pecado. Cada pecado é rebelião contra Deus. O pecado é a causa de toda a miséria neste mundo. O homem é responsável diante de Deus e terá que prestar contas de sua vida. E Deus julgará todos. Referências bíblicas: Ez 18.20,30; Rm 8.7; 1 Jo 3.4; Gn 8.4; Hb 9.27; Rm 6.23.
Cremos, ensinamos e confessamos que Deus, em seu infinito amor, não abandonou os homens em sua ruína, mas resolveu salvá-los pela obediência, paixão e morte de seu Filho unigênito Jesus Cristo. O evangelho é a boa notícia dessa salvação. No evangelho, Deus oferece perdão dos pecados, vida e salvação a todos os homens. Todo o pecador arrependido, que confia nas promessas do Evangelho, tem o que estas palavras lhe dizem e prometem: perdão dos pecados, vida e eterna salvação. Referências bíblicas: Jo 3.16; Rm 1.16; Gl 3.5; 2 Co 5.19.

CONVERSÃO e FÉ

Cremos, ensinamos e confessamos que a conversão de um pecador compreende contrição e fé. A conversão não é mera reforma moral ou a resolução solene de corrigir a vida, mas é completa mudança de toda a vida do homem. É o renascimento espiritual do pecador. É uma transformação milagrosa, efetuada pelo poder do Espírito Santo, operada pelos meios da graça: palavra de Deus e os sacramentos. Sendo espiritualmente cego, morto e inimigo de Deus, o homem não se inclina a Deus nem pode dispor-se à graça ou aceitá-la. Por isso, a conversão é um ato exclusivo de Deus, no qual o homem é passivo. A essa graça, porém, o homem pode resistir. A Bíblia lembra que o homem é salvo unicamente pela graça de Deus mediante a fé em Cristo e que Deus quer a salvação de todos. O que é salvo, é salvo pela graça. O que se perde, perde-se por culpa própria. Referências bíblicas: Jr 31.18; Jo 1.12,13; Rm 10.17; At 11.21; Ef 2.1,5.
Cremos, ensinamos e confessamos que a fé salvadora não é simples assentimento aos ensinos da Escritura, mas a confiança de um pecador arrependido no perdão de Cristo. Tal fé não é um ato de obediência ou decisão da vontade humana, mas é um ato da graça divina como um presente. Mesmo sendo um ato divino, não é o Espírito Santo que crê em nós. Nós cremos. A pessoa que não tiver essa confiança em Cristo, não pode ser salva; permanece sob a escravidão de Satanás, sob a ira divina e caminha para a condenação infernal. Aquele que está em Cristo, é nova criatura e busca, sob a ação do Espírito Santo, estreita comunhão com o Salvador. Por contrição e arrependimento diários, afoga as inclinações pecaminosas de sua carne e, pela graça de Cristo, ergue-se diariamente para uma nova vida com Jesus. Luta diariamente com muitas fraquezas, mas busca a perfeição em Cristo, a qual gozará na eternidade em toda a sua plenitude. Referências bíblicas: Tg 2.19; Is 55.6-7; Mc 1.15; Jo 1.12; 1 Co 12.3; Rm 10.7; At 16.31; Jo 3.36; Fp 3.14; Ef 4.15-16; Rm 12.1-3.


AS ÚLTIMAS COISAS
Cremos, ensinamos e confessamos que Deus determinou um dia, no qual julgará o mundo com justiça. Ninguém sabe quando será este dia. Naquele dia, Jesus voltará visível e glorioso. Céu e terra se desfarão. Todos serão julgados por Jesus. Aos incrédulos, Jesus dirá: Apartai-vos de mim, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus seguidores. Aos fiéis, que terão um corpo glorioso, dirá: Vinde, benditos de meu Pai e entrai no gozo de vosso Senhor que vos está preparado desde a fundação do mundo. Então serão criados os novos céus e a nova terra, nos quais habitará justiça.
Referências bíblicas: Jo 5.28-29; At 10.42; 1 Co 15.51-52; Rm 8.18; Mt 10.28; Is 66.24; Jo 19.25-27; Mt 26.31-46; 2 Pe 3.10-13; Ap 21.1-8

www.ielb.org.br/site/

0 comentários:

Postar um comentário

 

©2009 PARÓQUIA CONCÓRDIA | Template Blue by TNB